Quais são as estratégias de amostragem para avaliação de agentes químicos?

estratégias de amostragem
6 minutos para ler

Você sabe quais são as estratégias de amostragem para avaliação de agentes químicos? Se você subestimar esse aspecto, pode colocar em risco todos os trabalhadores e a cadeia produtiva do seu negócio.

Por isso, é importante compreender como esse procedimento é realizado, a fim de criar um ambiente de trabalho seguro e produtivo. Acompanhe a leitura para saber mais!

O que são estratégias de amostragem?

Estratégias de amostragem são os procedimentos adotados que garantem obter a mais fiel condição de exposição dos trabalhadores aos riscos para que sejam devidamente controlados.

Como nem sem sempre é possível monitorar todos os trabalhadores e amostrar a totalidade de postos de trabalho, é preciso desenvolver estratégias que representem o maior número de situações possíveis.

Qual a importância de se estabelecer estratégias de amostragem?

Se você não desenvolver estratégias de amostragem, poderá criar conclusões que não retratam a real exposição aos riscos, dificultando o monitoramento e controle dos mesmos, causando prejuízos a saúde dos trabalhadores, bem como onerando sua empresa em diversas formas como: pagamento de tributos elevados, indenizações trabalhistas, aquisição de EPIs inadequados ou ineficientes, dentre outras.

  Como definir a estratégia de amostragem?

Definir uma boa estratégia de amostragem permite que você avalie quão seguros são os processos com agentes químicos, sem que isso demande tantos recursos. Isso é muito importante para preservar a saúde dos trabalhadores. A seguir detalhamos os principais aspectos a considerar para a definição da estratégia.

  Objetivos da avaliação de agentes químicos

 Os objetivos da determinação da concentração de agentes químicos podem ser para atender aos seguintes itens:

  •  Conhecer os níveis de concentração nos locais de trabalho;
  • Estimar e monitorar a exposição dos trabalhadores durante a jornada de trabalho e ao longo do tempo para registros e estudos epidemiológicos;
  • Coletar dados para projeto e implantação de medidas de controle e avaliação de suas eficácias;
  • Verificar se as exposições aos agentes químicos nas atividades e ambientes de trabalho encontram-se em conformidade com os limites de tolerância estabelecidos pela legislação vigente;
  • Diagnosticar fontes geradoras nos ambientes de trabalho.

Etapas para definição das estratégias de amostragem

 ·      Reconhecimento:

– Coletar informações preliminares referentes ao processo produtivo e aspectos físicos dos locais de trabalho (equipamentos, sistemas de ventilação, aspectos construtivos prediais, condições climáticas, fontes geradoras, produtos utilizados, interferência de outras áreas, etc.);

– Informações referentes aos trabalhadores e atividades desenvolvidas (identificação das fontes geradoras nos postos de trabalho, funções e procedimentos desempenhados, tempo e frequência de exposição, quantidade de trabalhadores expostos separados por grupos similares de exposição, trabalhadores com maior risco de exposição, duração da jornada, etc.);

– Reunir e analisar resultados anteriores.

·      Estratégia das avaliações quantitativas:

– Planejamento dos métodos de coleta (equipamentos e amostradores necessários, capacidade de coleta do amostrador considerando os volumes de ar admitidos pelos métodos analíticos);

– Tipo de Limite de Tolerância que será avaliado:

 Principais limites utilizados no Brasil:

 A)  ACGIH (American Conference of Governmental Industrial Hygienists)

 Estabelece os TLVs (Threshold Limit Value) que é a concentração obtida como média ponderada no tempo, abaixo da qual a maioria dos trabalhadores podem ficar expostos repetidas vezes, dia após dia, sem resultar em efeito adverso à sua saúde. São de 4 tipos:

 •        TLV-TWA (Média Ponderada pelo Tempo) – É a concentração média ponderada para 8 horas diárias de trabalho, em semana de 40 horas, abaixo da qual as maiorias dos trabalhadores podem ficar expostas, repetidas vezes, dia após dia, sem resultar em efeito adverso à sua saúde.

•        TLV-STEL (Exposição de Curta Duração) – É a concentração máxima a que a maioria dos trabalhadores podem ficar expostos continuamente, durante um tempo de até 15 minutos, na frequência máxima de 4 vezes, em um mesmo dia, com intervalos maiores do que 60 minutos entre 2 exposições sucessivas, e desde que considerado o TLV-TWA, sem que resulte em efeitos adversos à sua saúde.

•        TLV-C (Valor Teto) – É a concentração que não poderá ser excedida em nenhum período de trabalho, sendo fixada para produtos com ação aguda.

•        Exposições Pico – Para substâncias em que os valores STEL ainda não foram definidos por falta de dados toxicológicos, a recomendação é a seguinte: exposições de curta duração não devem ultrapassar 3 vezes o TLV-TWA, em um total de 15 minutos a cada vez e por 4 vezes durante um dia de trabalho, com espaçamento de 1 hora entre elas, e em nenhuma circunstância, deve ultrapassar 5 vezes o TLV-TWA.

–        Quando os dados toxicológicos para uma determinada substância estão disponíveis para se estabelecer um STEL, este valor tem precedência sobre os limites de excursões, sejam eles mais ou menos restritivos.

B) Ministério do Trabalho – Brasil

 Norma Regulamentadora (NR- 15), Anexo 11 e 12, os limites de tolerância para exposições pessoais. Esses limites foram ajustados para a carga de trabalho de 48 horas semanais. Poderão ser:

 •        LT (Limite de Tolerância) – É o valor da máxima concentração a qual o trabalhador poderá permanecer exposto, obtida como a média ponderada no tempo, das várias exposições, durante o período de trabalho.

•        VM (Valor Máximo) – É o valor de pico até o qual poderão ocorrer incursões, desde que não ultrapassado o LT. É calculado pelo produto entre o LT e um fator de desvio que depende da grandeza do limite de tolerância.

•        VT (Valor teto) – É a concentração que não poderá ser atingida em nenhum momento. É fixado apenas para os produtos de ação aguda e rápida sobre o organismo.

C) OSHA (Occupational Safety and Health Administration)

 É o organismo oficial de controle da saúde nos EUA, e, portanto, estabelece legalmente os limites de exposição permitidos naquele país e que são:

 •        PEL-TWA (Time Weighted Average) – É a concentração média ponderada no tempo, que não poderá ser ultrapassada em 8 horas de trabalho, em jornada de 40 horas semanais.

•        PEL-STEL (Short – Term Exposure Limit) – É a excursão máxima permitida acima do limite de tolerância PEL-TWA, por um período de até 15 minutos, desde que a média ponderada de todas as exposições durante a jornada diária não seja ultrapassada.

Se gostou de saber quais são as estratégias de amostragem para avaliação de agentes químicos e deseja cuidar melhor desse aspecto, entre em contato conosco agora mesmo. Temos as soluções que seu negócio necessita!

Você também pode gostar

Deixe um comentário