Confira o guia completo sobre os riscos ergonômicos

riscos ergonomicos
11 minutos para ler

Qualquer tipo de trabalho, seja ele braçal ou administrativo, envolve riscos ergonômicos ao trabalhador. Afinal, desde quem levanta materiais pesados a quem passa horas a fio na frente do computador, existe a chance de lesionar músculos ou mesmo cansá-los, como acontece na Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Entra aí, ainda, a fadiga e o estresse mental, que podem ocorrer em virtude de complicações que começam no corpo e, por fim, afetam a mente.

Cada vez mais empresas têm se preocupado com essa questão, por entenderem que colaboradores bem cuidados e satisfeitos com o ambiente de trabalho produzem resultados muito mais significativos para o empreendimento. Se quer entender melhor a relação entre as diferentes questões que introduzimos aqui, continue lendo e aprenda com as informações a seguir!

1. Quais são os principais riscos ergonômicos?

Podemos enumerar os principais riscos ergonômicos em 5 tipos principais. Eles vão desde uma postura inadequada em atividades administrativas até o levantamento de cargas pesadas que, se for feito inadequadamente, pode comprometer severamente a saúde física do trabalhador.

Neste tópico, vamos destrinchar cada um desses aspectos a fim de que você entenda em profundidade essa questão. Confira, logo abaixo, tudo o que precisa saber!

1.1 Postura inadequada

Em situações de escritório, home office e demais contextos de tarefas intelectuais e administrativas, a postura inadequada pode ser um problema recorrente. Horas a fio digitando e com os olhos mirados no computador podem causar cansaço muscular nas mãos e nos braços, enfraquecimento dos músculos da costa e coluna e demais infortúnios para quem não cuida devidamente disso.

O ideal é que a altura do computador esteja no nível dos olhos e haja espaço suficiente para movimentação das pernas e apoio para os pés. O cansaço das vistas pode ser evitado com pequenos intervalos a cada hora trabalhada, o que também se torna uma chance para movimentar um pouco o corpo e sair da postura estática em frente à tela.

1.2 Repetição de movimentos

Esse caso se aplica a uma grande gama de profissionais. Desde professores até profissionais liberais, trabalhadores da indústria e construção civil, a Lesão por Esforços Repetitivos (LER) é uma realidade a ser considerada. Passar muito tempo escrevendo, digitando, martelando ou apertando peças pode lesionar os músculos pela repetição excessiva de movimentos.

A melhor forma de evitar isso é tendo a postura adequada que falávamos anteriormente e fazendo pequenas pausas entre uma atividade e outra. O uso de luvas ergonômicas também é uma alternativa importante e pode produzir bons efeitos nesse caso.

1.3 Jornadas de trabalho longas

Mais uma vez, os problemas advindos dos riscos ergonômicos estão interligados. Jornadas de trabalho longas podem ocasionar tanto um cansaço e lesão muscular citados anteriormente, quanto a própria estafa mental que ocorre quando se envolve em uma mesma atividade por horas a fio sem descanso.

O que acontece é que, muitas vezes, não é tanto a atividade em si que é prejudicial, mas as condições sob as quais são realizadas, levando a um grande desgaste físico e até emocional do trabalhador. Por isso, é de bom grado estar atento à condução de períodos mais extensos de trabalho para que tudo aconteça dentro dos conformes.

Jornadas longas precisam estar dentro da lei e respeitar todos os pormenores que isso envolve, que vão desde bonificação do trabalhador às pausas programadas que fazem parte de uma rotina mais extenuante. Fique atento a isso para não ter problemas até mesmo de ordem legal em sua empresa.

1.4 Iluminação deficiente

A iluminação deficiente afeta tanto o campo físico quanto mental. Com menos luz, o risco de acidentes se torna maior, já que o trabalhador pode tropeçar, não perceber um obstáculo na execução de sua tarefa, se machucar e tantas outras possibilidades nocivas. Na questão mental, envolve a desmotivação e até mesmo o estresse do colaborador ao estar em um local inadequado à plena realização de seu trabalho. Sem falar que isso passa uma impressão extremamente antiprofissional a quem chega à sua empresa e vê tal situação.

Por isso, não se deve subestimar detalhes, como a iluminação, se quiser ter os melhores resultados possíveis em seu empreendimento. Cuide de cada aspecto para que tudo saia da melhor forma no seu negócio.

1.5 Levantamento de cargas pesadas

Essa talvez seja a questão mais óbvia e comumente pensada quando falamos em risco ergonômico. O levantamento de cargas pesadas deve respeitar os limites do corpo de cada trabalhador e, se for excessivo, precisa ser realizado com o auxílio de máquinas. Sem isso, corre-se o risco de lesionar fisicamente o trabalhador.

Todos os outros pontos citados anteriormente também se aplicam aqui. Em um contexto profissional, no qual há trabalhadores carregando peso, é importante que isso seja feito com o devido cuidado na postura, evitando a repetição de movimentos por horas e um ambiente bem iluminado, que permite que os funcionários enxerguem e transitem por todo o espaço com segurança.

2. Como prevenir a ocorrência dos riscos ergonômicos?

Após conhecer os riscos, vem aquela pergunta crucial: e agora, o que fazer? Muitas vezes, até sabemos quais são os perigos, mas nem sempre estamos cientes de como evitá-los ou resolvê-los. Pois bem, neste tópico do texto vamos elencar e explicar em detalhes como prevenir a ocorrência dos riscos ergonômicos.

Como diz o ditado: prevenir é melhor que remediar. Então, veja logo abaixo o que precisa ser feito para que erros comprometedores não aconteçam no ambiente de trabalho.

2.1 Avalie o ambiente

Fazer o devido reconhecimento e avaliação do espaço é crucial para prever acidentes que podem ocorrer ali. Estantes muito altas, cômodos muito escuros, mesas de trabalho que não são adequadas à ergonomia do colaborador e tantas outras questões podem atrapalhar a boa gestão do local. Entram ainda fatores estressantes, como ruídos e odores vindos de ambientes externos, que podem ser um grande incômodo ao trabalhador na execução de suas tarefas.

Além disso, se você não conhece o próprio ambiente de trabalho, como vai intervir corretamente para que seja aprimorado? Fazer essa tarefa de reconhecimento e avaliação é essencial para não perder recursos como tempo e dinheiro nesse processo.

Cuide bem disso para que, quando as funções estiverem sendo desempenhadas, o foco possa estar 100% no trabalho e não nos obstáculos a serem enfrentados. Essa é a melhor forma de gerar um ambiente seguro e produtivo.

2.2 Verifique a iluminação

Conforme pincelamos em diversos pontos deste post, uma boa iluminação é capaz não só de proteger os colaboradores de acidentes, como até melhorar o humor no ambiente de trabalho. Além do mais, passa também mais confiança e profissionalismo a quem chega à sua empresa.

Muitas vezes, por subestimar pequenos detalhes, acaba-se entrando em grandes problemas por não perceber a real diferença para melhor que eles podem fazer. A iluminação é um desses casos e, se cuidar bem disso, conseguirá ter bons resultados no negócio.

Aproveite todas essas vantagens para avaliar esse quesito em seu empreendimento. Caso sinta que não está devidamente cuidado, invista em uma boa iluminação a fim de sanar esse problema.

2.3 Automatize os processos

Lembra quando falávamos em máquinas no levantamento de carga pesada? Pois bem, tarefas enfadonhas não precisam ser exclusivamente executadas por seres humanos. Com toda a tecnologia desenvolvida, é cada vez mais comum o surgimento de novas soluções de uma forma nunca vista antes. Isso vai desde as questões braçais até as administrativas. Hoje é possível automatizar e-mails e alguns processos de gestão que tornam o trabalho mais eficaz e menos cansativo.

Não é à toa que as empresas que têm investido em tecnologia são as que mais cresceram nos últimos anos. Você não precisa transformar o seu negócio em um gigante, como o Google ou Facebook, mas certamente pode melhorar esse aspecto para obter melhores resultados.

2.4 Conscientize os colaboradores

Conscientizar os colaboradores é parte integrante dessa missão em mensurar e tomar as devidas medidas para superar os riscos ergonômicos. Isso pode ser feito por meio de treinamentos, reuniões e constantes lembretes por meio de sinalizações e até conversas diárias sobre a importância disso. Assim, a responsabilidade não fica só sobre questões materiais da empresa, mas também com as atitudes do próprio profissional dentro do ambiente de trabalho.

Lembre-se que delegar funções é um dos elementos fundamentais de empresas de sucesso, nas quais o ambiente de trabalho promove a autonomia responsável de seus funcionários. Não subestime a importância disso.

3. Quais as consequências da falta de ergonomia?

A falta de ergonomia traz consequências diretas no físico dos trabalhadores e até mesmo imputações legais sobre a empresa. Não cuidar devidamente dessa questão é se jogar em um mar de adversidades, já que você terá dificuldade tanto com as limitações causadas por profissionais lesionados quanto por ter de responder legalmente por isso.

Para evitar esses problemas, existem alguns pontos principais aos quais deve estar atento. Entenda:

  • avalie as condições atuais do ambiente de trabalho, a fim de verificar quais pontos podem ser melhorados para o favorecimento da ergonomia dos profissionais;
  • invista em materiais, equipamentos, móveis e todo o aparato necessário para que os riscos ergonômicos sejam eliminados do ambiente de trabalho;
  • crie uma cultura organizacional de diálogo constante e informação para conscientizar sobre a forma como utilizam o próprio corpo na execução de suas tarefas;
  • entenda o que as leis dizem a respeito do nicho em que atua para que possa agir dentro dos conformes e evite danos à saúde do trabalhador ao desempenhar suas funções.

Cuidando bem desses pontos principais, você diminui os riscos ergonômicos e contribui para um ambiente mais saudável e produtivo. Dessa forma, todos saem ganhando, tanto trabalhadores quanto o próprio empreendimento. Pense nisso.

4. Por que contratar uma empresa especializada?

Logo ao final do tópico acima, destacávamos a importância de estar a par da legislação, a fim de não comprometer a empresa e a saúde dos trabalhadores. Todavia, nem sempre isso é algo tão simples de ser realizado. Os pormenores jurídicos e demais burocracias envolvidas nessa questão podem fazer com que você perca detalhes importantes ao tentar agir sozinho.

Por isso, o melhor a se fazer para ser capaz de cumprir com todas as normas estipuladas pelo Ministério do Trabalho e Emprego é contar com um serviço específico, que se enquadre nas necessidades da empresa.

Essa é a maneira mais conveniente e segura de atender a todos os protocolos e evitar as penalizações legais nos casos de fiscalização, sem contar as lesões que os profissionais podem sofrer e gerar um entrave tanto na saúde deles quanto no desenvolvimento da empresa como um todo. É por esse motivo que destacamos em diferentes pontos deste artigo que, cuidando bem dos colaboradores e seguindo os devidos protocolos, você automaticamente estará também cuidando bem do próprio negócio.

Além do mais, ter um negócio hoje em dia não é fácil. Os desafios já são muitos e enormes, e eles vão desde a concorrência no espaço físico e no mundo digital até fatores completamente inesperados, como a pandemia que acertou em cheio diversas economias ao redor do mundo.

Se diante de tantos obstáculos a serem vencidos você ainda tiver problemas internos em seu negócio, é certo que o trabalho para superá-los será dobrado. Evite essa dor de cabeça contando com especialistas no assunto, que estarão preparados para dar o devido apoio ao crescimento de seu negócio.

Como pôde ver ao longo do post, não é difícil entender quais são os riscos ergonômicos existentes nos mais diversos ambientes de trabalho. Porém, dar conta deles e fazer as devidas mudanças e acompanhamentos para que não impactem a saúde dos trabalhadores é algo um pouco mais complexo.

Não caia na tentação de resolver tudo sozinho em nome de uma suposta economia, sendo que, muitas vezes, é justamente o barato que sai caro. Conte com empresas especializadas que saberão guiar você por esse processo e fazer tudo o que é necessário de forma mais ágil, eficaz e acertada.

Se você gostou de conhecer o guia completo sobre os riscos ergonômicos, aproveite para assinar a nossa newsletter agora mesmo! Temos o melhor conteúdo para preparar a sua empresa para alcançar os melhores resultados.

Você também pode gostar

Deixe um comentário